http://www.elizianebarbosa.com/search/label/Resenha%20Liter%C3%A1ria

Nada Dura Para Sempre - Sidney Sheldon

Ficha Técnica
Titulo: Nada Dura Para Sempre
Título Original: Nothing Lasts Forever
Autor: Sidney Sheldon
Editora: Record
Páginas: 368
Gênero: Suspense, Romance
Publicação:1994
Onde Comprar: Amazon / Saraiva

Sinopse:

 
"Kat Hunter, Betty Taft (Honey) e Paige Taylor são as únicas mulheres em um grupo de médicos residentes de um hospital de São Francisco. Além de trabalharem juntas, elas dividem o mesmo apartamento e protagonizam situações, no mínimo, insólitas: a primeira, por pouco não provoca a interdição do hospital; a segunda mata um doente em troca de 1 milhão de dólares; e a terceira é assassinada. Em "Nada Dura Para Sempre", Sidney Sheldon envolve o leitor em uma trama na qual transitam profissionais da medicina e mafiosos, pacientes e viciados em drogas. Um jogo de gato e rato capaz de tirar o fôlego, com todos os elementos que transformaram os livros de Sheldon em campeões de vendas."



Existem três classes de seres humanos: homens, mulheres e
médicas.


Olá pessoas! Tudo bem? Pensei na possibilidade de trazer ou não uma resenhas deste  livro aqui no blog pois ele foi publicado à bastante tempo, eu tinha apenas 5 anos quando isso aconteceu, (srsrs).  Mas como podem ver, eu disse sim ao Sidney Sheldon e "Nada Dura Para Sempre" foi e sempre será o livro que marcou minha adolescência.
Perdi as contas de quantas vezes já li este livro e me perdia no exemplar surrado que tinha do qual sequestrei de minha irmã, 16 anos era a idade de quando o li pela primeira vez.

O livro foi apitado para o cinema em 1995, dirigido por Jack Bender, tendo Brooke Shields, Vanessa Williams e Gail O'Grady interpretando as médicas.
Ainda não conseguir em assistir ao filme pois ainda não encontrei dublado ou com legendas. 











No enredo temos a história de 3 médicas residentes, Page Taylor, Betty Lou Taft (Honey) e Kate Hunter (Kat), que começam  a trabalhar em um hospital publico em São Francisco chamado Embarcadero, ambas são as únicas médicas mulheres e acabam se deparando com muitas dificuldades por conta disso.

"O Embarcadero County era o hospital mais antigo de São Francisco e de todo o país. Durante o terremoto de 1989,
Deus pregou uma partida aos habitantes de São Francisco e
deixou o hospital de pé. Era um complexo " feio que ocupava
mais de três quarteirões, com edifícios de tijolo e pedra já
escurecidos pela sujidade acumulada durante anos."

As garotas se conhecem no dia de apresentação dos residentes e decidem compartilhar o mesmo apartamento, mulheres fortes e com histórias diferentes e cheias de superação.

Betty Lou Taft (Honey) é a ovelha negra e patinho feio da família Taft, se sentia desprezada pois possuía duas irmã gemias que eram consideradas as garotas mais bonitas ,tanto pelos pais quanto na escola.
Mas descobriu sua sexualidade logo sedo e com isso o poder de seduzir e conseguir tudo o que desejava, até ser médica - mesmo que seu sonho era ser enfermeira, mas seus pais nunca a apoiaria.

 "- Chamamos-lhe "a palerma" - dizia o pai. - Honey é o
patinho feio da família Taft. Só que acho que ela nunca irá
transformar-se num cisne."



Kate Hunter (Kat), uma mulher negra com um passado cheio de traumas. Aos 13 anos foi abusada sexualmente pelo seu padrasto e sua mãe não à defendeu quando contou o que estava acontecendo, mas suportou tudo por amor ao seu irmão Mike. Rejeitada e com uma gravidez, saiu de casa e decidiu que iria abortar para poder seguir sua vida e crescer, conseguiu entrar no ramo da medicina mesmo com toda dificuldade, em meio ao preconceito e rancor, dedicando sua vida para cuidar das pessoas.

Foto: Ilustração Charles Segat / Agência RBS
 
 Page Taylor sempre sonhou em ser médica, viveu com seu já falecido pai - médico sem fronteira, por um longo tempo em uma aldeia africana e compartilhava sua vida com Alfred, um amor de infância, alguém com que passou muitas dificuldades e jurou casar quando chegassem a vida adulta, mas não foi como esperado. Os anos passaram e Page foi traída pelo seu amado, que acabou casando com outra sem dar  qualquer explicação.
 Imagine comigo! O cara que você ama bate em sua porta com uma mulher ao lado e  você o atende com maior amor e ele diz: "   Oi, tudo bem? Olha eu esqueci de te avisar mas essa é minha esposa, desculpa aí tá.

Sidney começa nos dando uma injeção de curiosidade quando inicia o livro em pleno clima de júri, com um episódio que acontece com Page, após ser  acusada de assassinar um paciente para poder ficar com uma herança de 1 milhão de dólares, denunciada por um médico asqueroso do qual foi rejeitado por ela de todas as formas. Tudo isso para logo em seguida levar ao leitor à 5 anos atrás, onde tudo começa.
Mas a real história é, o paciente de Page tinha câncer e já estava em estado terminal, sofrendo com dores que não cessavam com qualquer remédio. Com isso, Page - sem conhecimento da herança, cometeu eutanásia - ato de proporcionar morte sem sofrimento a um doente atingido por afecção incurável que produz dores intoleráveis.


Percebi durante a leitura que o autor se aprofundou por inteiro em sua pesquisa nos assuntos médicos pois me sentir em muitas vezes envolvida em cada procedimento que os residentes estavam a passar naquele momento, é incrível! Sheldon possui uma narrativa livre e rápida, mas como esse livro é voltado para a área médica, então você vai encontrar muitas nomenclaturas obviamente associadas a esse mundo que para muitas pessoas que não são acostumadas com esse tipo de leitura pode achar um pouco estranho e deixar o livro de lado. Mas vai por mim! Isso logo muda e em algum momento você vai se sentir um residente por natureza, (srsrs).

Não posso deixar de mencionar os assuntos abordados de forma tão impactante; machismo, abuso sexual, preconceito racial e contra a mulher, violência contra a mulher, bullying, assuntos que em nosso tempo são infelizmente comuns e Sidney os menciona de forma dura e realista em pleno ano de 1990, deixando o leitor chocado e com uma sede voraz para ler o livro mais rápido possível.
 O livro é narrado na terceira pessoa do singular, onde podemos ver a situação pelos olhos das três personagens, nos aprofundando mais na vida e nos dilemas de cada uma.

Um romance lindo, assassinato a sangue frio a ser descoberto, dores e sofrimento, "Nada Dura Para Sempre" é sinônimo de muito suspense  e mistério com uma pitada de romance.
Espero que gostem!

Beijos. :*


 

Você pode gostar também

0 Comments