http://www.elizianebarbosa.com/search/label/Resenha%20Liter%C3%A1ria

TAU - Um Lançamento da Netflix

Ficha Técnica
Data de lançamento: 29 de junho de 2018 (mundial)
Direção: Federico D'Alessandro
Gênero: Drama, Ficção
Duração: 97 minutos
Produção: David S. Goyer
Idioma: Língua inglesa (cópias dubladas disponíveis)
Cinematografia: Larry Smith

Sinopse

"Sequestrada por um inventor que faz de cobaia para aprimorar um sistema de inteligência artificial robótica, uma jovem tenta fugir de seu cativeiro de alta tecnologia."

Com uma obra visual que deixa qualquer um de queixo caído (assim como eu ), TAU veio para mudar todas as minhas definições de filme de ficção científica.
Confesso que logo nas primeiras cenas do filme não estava muito empolgada, gosto de filmes que  logo de cara me dê motivação para assistir, e em minutos eu já estava vibrando.
Ficção Científica não é minha preferência de gênero de filmes, mas  de alguns tempos pra cá estou mudando essa concepção e a Netflix está se superando nesse requisito.



O Filme com direção de Federico D'Alessandro, conta a história de Julia(Maika Monroe) , uma moça aparentemente do qual ninguém sentiria falta é sequestrada por cientista chamado Alex(Ed Skrein) que usa cobaias humanas para coletar informações do sistema da mente onde as emoções são armazenadas para aperfeiçoar sua invenção em desenvolvimento que se chama Tau. Tau é um sistema artificial robótica capaz de fazer inúmeras tarefas domesticas, segurança e organização de afazeres para o seu criador.  No entanto, a recente cobaia consegue fugir de sua cela junto com mais duas cobaias que ali estavam. 

Mas a fuga não foi como esperador e seus parceiros de cela acabaram por serem exterminados de forma  traumática por Tau, Julia sem saber como fugir da casa é forçada realizar alguns testes até que o laboratório onde ela se encontrava presa fosse restaurado e Alex voltaria com sua pesquisa e Julia ia ser descartada, assim como as demais cobaias.

Alex é um personagem um tanto introspectivo e um pouco ausente na trama o que me fez perceber que sua presença algumas vezes se tornava insignificante já que a maior parte do filme é um constante dialogo entre Julia e a máquina.
Tau possui um sistema conectando a um fluxo de informações limitado onde só o Alex pode proporcionar e com o acumulo de informações novas o deixaria instável, Julia por sua vez descobre uma forma de fazer com que Tau  ajude a fugir da casa usando esse artifício, ensinando a ele novas informações, o mundo lá fora e criando um vinculo entre  máquina e humano.

"Eu tenho um nome, Tau e eu sou uma pessoa. Mas o que significa ser uma pessoa?"


Mesmo que para mim as primeiras cenas de confronto existentes entre Julia e Tau fosse um tanto fracas o filme em um todo tem uma chamada muito boa, os efeitos recorrentes entre os dois me deixaram muito boba.
No momento em que Julia começa a mostrar como é o mundo e tudo que existe pelo lado de fora e todas as cenas quando ela passar horas lendo livros para ele falando acerca de músicas clássicas e suas origens, adorei.

"JULIA- Se poder abrir a porta eu te mostro como é lá fora.
TAU- Lá fora? E o que é lá fora?
JULIA- Lá fora fica o mundo.
TAU- Explique preciso de mais informações."




E aí pessoas? Deixe nos comentários se você assistiu ao filme também e o que achou ou se você ainda não viu, pode adicionar em sua lista que para mim é um ótimo filme.

Beijos!


Você pode gostar também

2 Comments

  1. Assisti esse filmes e gostei bastante também! A Netflix tá começando a pegar o jeito.

    ResponderExcluir
  2. Amo filmes de ficção científica em especial dos que abordam esse tema, vou assisir.
    Guilherme
    EDUARTMOVEIS.BLOGSPOT.COM

    ResponderExcluir